A cirurgia plástica reparadora, em si, é apenas um dos momentos que compõem todo o processo – que inclui também avaliações iniciais, período pré-operatório e pós-cirúrgico em que o paciente se recupera até a total reabilitação.

O sucesso pleno no resultado de um procedimento depende da adoção de cuidados específicos e escolhas de vida saudáveis no tempo que antecede a cirurgia e também após a sua realização. Para isso, O PAPEL DO MÉDICO É CRUCIAL!

No artigo de hoje, falaremos sobre a IMPORTÂNCIA DO ACOMPANHAMENTO MÉDICO NO PÓS-OPERATÓRIO – e, consequentemente, sobre os riscos envolvidos na ausência desse acompanhamento e QUAIS DANOS PODEM OCORRER.

Para conferir mais detalhes, é só continuar lendo! Vamos lá?

QUAL É O OBJETIVO DO ACOMPANHAMENTO MÉDICO APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA?

O cuidado no pós-operatório se inicia assim que o paciente sai da sala de cirurgia e o objetivo é sempre focado em:

– ALÍVIO DE DESCONFORTOS;
– PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES;
– CICATRIZAÇÃO CORRETA;
– OTIMIZAÇÃO DOS RESULTADOS;
– REABILITAÇÃO PARA VOLTA À VIDA COTIDIANA;

Essa fase pode durar semanas ou meses, dependendo do procedimento realizado e de sua extensão. O médico responsável traz orientações sobre os cuidados específicos, limpeza de curativos, trato das cicatrizes, indicações de medicamentos, entre outras questões.

Fora isso, o paciente deve voltar ao consultório periodicamente após a cirurgia, para avaliação contínua do desenvolvimento da recuperação e exames mais detalhados – nesses encontros, são esclarecidas as possíveis dúvidas que surgirem no caminho!

Considerado delicado e crítico, o período do pós operatório exige atenção especial, visto que o paciente precisa lidar com dores e restrições – em diferentes níveis e intensidades, dependendo do caso. Além disso, observamos também o sistema imunológico mais vulnerável a infecções, o organismo combatendo processos inflamatórios, mudanças no funcionamento do metabolismo… 

Os acontecimentos dessa etapa interferem não só no resultado da cirurgia plástica reparadora, em termos estéticos, mas também no quadro clínico geral do paciente! Isso implica em sua integridade, saúde e bem estar – para além de questões de aparência.

QUAIS COMPLICAÇÕES E DANOS PODEM OCORRER?

Diante da negligência com os cuidados recomendados, ou na falta parcial ou total de acompanhamento médico, o paciente fica mais suscetível às complicações do pós-operatório. Por isso, não deve-se subestimar a importância da disciplina quanto à rotina de cuidados e higienização com a incisão, dos pontos e cicatrizes, dietas e restrições de esforço, uso de medicações e dermocosméticos ou de acessórios terapêuticos.

Conheça agora algumas das complicações que podem acontecer:

– HEMATOMAS E MANCHAS ROXAS;
– INCHAÇO E ACÚMULO DE LÍQUIDO;
– ABERTURA E ROMPIMENTO DOS PONTOS;
– FORMAÇÃO DE COÁGULOS E TROMBOSE;
– QUELÓIDE E DEFORMAÇÃO NAS CICATRIZES;
– INFECÇÃO NA REGIÃO E NECROSE DE TECIDO;

Vale lembrar que nenhum desses sintomas e quadros são esperados ou considerados normais na realização de uma cirurgia plástica reparadora conduzida por profissionais especializados, em condições seguras e de acordo com as normas médicas e diretrizes da SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica).

Portanto, conforme ocorrem as consultas de acompanhamento médico após a cirurgia, o médico avalia riscos de acordo com o quadro do paciente e adota uma postura preventiva e assertiva. De acordo com o andamento da recuperação e possíveis episódios de risco ou surgimento inicial de complicações, são acrescentados outros cuidados e medicamentos, conforme necessário.

A prioridade é proteger a saúde e bem estar do indivíduo, sempre! Prezando, é claro, por um resultado estético satisfatório e de sucesso, que atenda os desejos e expectativas do paciente e lhe devolva a autoestima!

O monitoramento periódico e regular do estado do paciente é crucial para garantir o sucesso do procedimento!

A RESPONSABILIDADE FICA DE QUAL LADO?

De ambos! Da parte do médico, em promover todas as orientações de modo claro, didático e enfático – tirando todas as dúvidas, indicando as melhores práticas e colocando à disposição para qualquer emergência.

Já da parte do paciente, o compromisso é em seguir à risca todas as orientações a partir da alta após a cirurgia –  não burlar restrições, tomar os medicamentos da maneira correta em frequência e dosagem e buscar atendimento médico em caso de aparente complicação, sem adiar ou subestimar a situação!

Costumamos dizer que paciente e médico tornam-se “parceiros” na missão de atingir o resultado ideal. Sendo assim, trata-se de uma responsabilidade dividida.

MELHORES PRÁTICAS PARA O PERÍODO PÓS-OPERATÓRIO

Existem regras que se aplicam à etapa pós-cirúrgica em geral, quando falamos de procedimentos estéticos invasivos, como:

– REPOUSO, REPOUSO E REPOUSO;
– Suspender o uso de cigarro com certa antecedência em relação à cirurgia e não retomar o hábito até certo período após a operação;
– Evitar exposição ao sol;
– Cumprir dieta específica para o procedimento realizado e para seu quadro clínico;
– Usar cintas e malhas compressivas conforme indicação médica;
– Realizar sessões de drenagem linfática pós-cirúrgica;
– Usar os medicamentos receitados pelo médico de forma responsável;
– Evitar exercícios físicos, esforços intensos e movimentação de membros de acordo com as indicações específicas sobre o procedimento realizado;
– COMPARECER ÀS CONSULTAS MÉDICAS DE ACOMPANHAMENTO;

Entre abdominoplastia, torsoplastia, gluteoplastia, mamoplastia, lifting de coxas, lifting de braços, blefaroplastia e lipoaspiração – procedimentos que realizamos aqui na Clínica Varela – existem diferenças entre as orientações quanto à particularidade de cada cirurgia.

Além disso, CADA CASO É UM CASO: organismos funcionam de forma diferente de pessoa para pessoa, os processos de cicatrização podem variar, o histórico clínico é único de paciente para paciente e a tolerância a dor e predisposição genética a complicações também são diversas.

OU SEJA, SOMENTE O MÉDICO RESPONSÁVEL PELO SEU CASO PODERÁ DAR UMA ORIENTAÇÃO PERSONALIZADA PARA SUAS NECESSIDADES E EXPECTATIVAS!

ACOMPANHAMENTO DE ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR – O QUE É?

Chamamos de “abordagem multidisciplinar” o acompanhamento realizado por um conjunto de profissionais de diferentes especialidades médicas, de modo global.

Sempre enfatizamos a importância da presença de outros especialistas na vida do paciente, tanto antes da cirurgia quanto na fase pós-operatória – pois sabemos o quanto isso faz diferença na recuperação do trauma cirúrgico e garante um melhor resultado e desempenho geral.

Não é só o médico cirurgião plástico que tem uma atuação importante nesse quesito: nutricionistas, fisioterapeutas, endocrinologistas, profissionais de educação física e psicólogos têm MUITO A OFERECER E CONTRIBUIR no quadro de pacientes pós-bariátricos que passaram ou passarão por cirurgias plásticas reparadoras.

Em vez de se perguntar “por que buscar outros médicos, se meu problema é estético?”, o questionamento deve ser: POR QUE NÃO?!

CONCLUINDO…

Se você chegou até essa parte do nosso artigo, isso significa que agora você já está bem ciente da importância do acompanhamento médico no pós-operatório e também dos riscos de complicações decorrentes de negligência com os cuidados e consultas pós-cirúrgicas.

AGORA, É HORA DE DAR UM PASSO ALÉM: IR ATRÁS DO SEU CORPO DOS SONHOS. Mais do que vaidade, é bem estar. VOCÊ MERECE UMA RELAÇÃO SAUDÁVEL COM O ESPELHO!

Nós da Clínica Varela estamos à sua disposição, prontos ajudar nesse desafio e te acompanhar nessa jornada –  desde a primeira consulta, até o pós-operatório. ESTAMOS COM VOCÊ!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *